Conheça a história do Rui (ou minha, ou sua, ou de alguém que a gente conhece)

13 comments

Vou contar a história do Rui.

Rui 2Bits


RUI

Quando adolescente, Rui era um moleque como qualquer outro.

Ia pra escola de manhã, mas não gostava de estudar muita coisa não. Levava tudo meio nas coxas e passava com notas medianas. Nas férias, já lembrava de pouco que tinha aprendido. No seu tempo livre à tarde, às vezes se reunia com os amigos pra fazer um trabalho de escola aqui e ali. Ele pediu pra não contar, mas em várias dessas reuniões eles não faziam nada de produtivo. Quando não se reunia com os amigos, passava a tarde tirando aquele cochilo gostoso de depois do almoço, ou navegando pela internet meio sem rumo. Vez ou outra estudava, mas nunca por mais de uma hora.

Na hora de marcar um curso na ficha de inscrição do vestibular, não sabia o que escolher. Não tinha gostos muito definidos - na verdade não gostava de estudar nada. Via que seus amigos estavam marcando um curso específico e achou uma boa ideia seguir o mesmo caminho.

Na faculdade, adorou o primeiro ano. Algumas matérias eram interessantes e a turma, principalmente, bem agitada. Curtia ir pra facul mais pela interação social. As notas no começo eram boas, mas depois começaram a ficar mais capengas. Rui começou a estudar menos, já não se sentia mais com vontade de fazer o curso. Mas já estava na metade, não poderia largar. Não queria de forma alguma jogar 2 anos de estudos na lata de lixo. Aceitava que aquele era o curso natural das coisas e, pra ser sincero, achava tosco quando ouvia que Fulano ou Beltrano tinham desistido do curso. Se formou para o orgulho da família, que agora tinha mais um bacharel.

Chegava em casa sempre bastante cansado. Trabalhava muito e tinha pouco tempo para si. Com isso, sentia a necessidade de se recompensar na volta ao lar. Geralmente comia algumas besteiras, jogava videogame ou assistia um filme, tomava cerveja e ia dormir, afinal, tinha que acordar cedo para trabalhar no outro dia. Nunca perdia a contagem dos dias da semana, afinal contava os minutos para a chegada da sexta-feira, mas de vez em quando se surpreendia com mais um mês que passava rápido. "Caracoles, já tamos quase no final do ano!", pensava com frequência. Nos tão aguardados finais de semana, Rui extrapolava. Gostava mesmo era de encher a cara - coisa mais natural do mundo, a maioria dos seus amigos também gostava. No domingo, batia uma tristeza. Primeiro porque percebia que não tinha feito lá grandes coisas no dia a não ser se recuperar da ressaca. Segundo que a segunda-feira estava batendo na porta e Rui tinha que trabalhar.

Rui não gostava muito da sua aparência. Era gordinho e ficava mal quando vez ou outra alguém comentava sobre o assunto. Mas fingia que não ligava, dava risada. Quando via outro gordinho não, mas quando via um moleque afeminado, um gótico de olho pintado ou alguém com estilo diferente, tirava sarro. Fazia piada dos outros com os amigos e se sentia bem com isso.


NOVO RUI

Rui ainda não gostava muito da sua aparência. Era gordinho. Mas não mais por causa do que os outros achavam (não ligava mais pra isso), e sim porque percebeu que não estava cuidando da sua saúde. Viu que seu corpo era apenas o reflexo de anos evitando exercícios e comendo porcarias. Como não se sentia bem com suas gordurinhas, começou a pesquisar sobre alimentação. Experimentou salada, que antes não comia de jeito nenhum, e gostou. "Com bastante tempero fica bom", ele disse na época. Com isso, foi perdendo o preconceito e chegou a provar os abomináveis brócolis e abobrinha. Gostou do primeiro e odiou o segundo. Mas continuou experimentando.

Pra não comer porcarias de supermercado, teve que começar a esquentar a barriga no fogão. Viu umas receitas no YouTube e passou a comprar suas próprias comidas. Ficou abismado quando viu que uma pizza congelada valia 3 ou 4 kilos de vegetais, se ele escolhesse os da época.

Passou pelado na frente do espelho, depois do banho, e viu que algo estava diferente. Correu pra balança e confirmou que tinha perdido alguns kilos. Junto com a alimentação, tinha começado a se exercitar. Academia não é muito a dele, também não gostava de esportes. Mas depois de procrastinar por umas 2 semanas, finalmente foi dar uma corrida na rua. No outro dia tava podre de tanta dor muscular. No meio da tarde, cansado, deitou na cama e tentou lembrar quando foi a última vez que tinha suado tanto, mas não conseguiu. Demorou 2 dias pra se recuperar e correr de novo, mas dessa vez saiu pra rua empolgadão. Viu que o mais difícil era calçar o tênis e sair por aí - o ato de correr era fácil, na verdade.

Voltou a recorrer ao YouTube. Procurou alguns exercícios simples que poderia fazer além da corrida. Experimentou flexões num dia, mas sentiu dor nos ombros e preferiu não arriscar uma lesão. Fez abdominais e sofreu, mas achou bacana. Depois do cansaço das próprias abdominais, ele já ficava deitado ali mesmo por um tempo, recuperando o fôlego e planejando os exercícios do dia seguinte. Começou a perceber que quando tentava, em pé, tocar os pés com suas mãos, tava chegando mais perto - ainda que faltasse muito pra conseguir.

Ficou feliz pra xuxu e tentou marcar um barzinho com seu melhor amigo pra bater um papo - queria contar o que tava acontecendo. O amigo trampava à noite e não podia pegar um barzinho. Ficou um pouco frustrado. Ligou pro amigo outras vezes nas semanas seguintes e não conseguiu marcar nada. Tava sentindo uma necessidade social grande, queria conversar, rir, ouvir histórias e contar as suas. Decidiu passar na casa do amigo de qualquer jeito, sem avisar. Deu sorte e pegou o cara saindo de casa. O amigo não tinha muito tempo pra conversar, mas os dois bateram um papo de 15 minutos e marcaram algo pro final de semana. Saiu feliz. Surpreendeu-se ao concluir que bastou arriscar ir na casa do cara. Viu que tentar alguma coisa, ao invés de aceitar os fatos e criar desculpas, era mais eficaz.

Não demorou a perceber que a ida pro trabalho era maçante. Acordava muito cedo, perdia muito tempo no trânsito e tudo pra chegar num trabalho que já não lhe empolgava mais. Numa segunda-feira, almoçou com um colega de escritório e ouviu que o cara também tava frustrado na empresa, mas "tinha família" e não poderia ficar sem salário. Rui lembrou que não tinha mulher, nem filhos, e que poderia deixar o trabalho a qualquer momento, ao contrário do colega. No fundo do seu coração, percebeu que a ideia de deixar aquela empresa pra trás e tentar uma coisa nova lhe fez bem. No meio do expediente, parou pra tomar um cafézinho e pensou de novo na ideia. Sorriu com o canto da boca. Queria tomar uma decisão, mas estava inseguro. Argumentou para si mesmo que mesmo mudando de cargo, não se sentia motivado pra continuar trabalhando com seja lá qual era o negócio daquela empresa - hoje em dia ele nem lembra mais. Pensou que um aumento de salário seria ótimo, mas que as coisas que gostava de fazer na verdade custavam pouco ou nada.

Gostava de ver filmes e tinha uns comentários bem votados no Filmow. Gostava de ver resenhas de filmes no YouTube e ficou assustado com a quantidade de canais e blogs do tipo que existiam. Pensou em fazer algo do tipo, mas desanimou. Pesquisou um pouco mais e percebeu que muitos desses canais e blogs não duravam. Se perguntou o porquê, se tantos que ele acompanhava tinham conteúdos tão legais. Resolveu criar um blog sobre filmes de qualquer jeito. Escreveu um post e ninguém leu. Não ficou motivado pra escrever o segundo post, mas tentou se forçar a escrever - buscou a determinação que, quando já sem fôlego, o mantinha correndo pra alcançar seu objetivo diário de X kilômetros. Escreveu o segundo post e ninguém leu. Ficou chateado e desistiu. Ligou seu fracasso bloguístico com outros que tinha visto na internet. Pensou que o que faltava pra ele e pra muitos outros talvez fosse apenas determinação. Se sentiu ainda pior, por ter desistido. Outros pensamentos negativos vieram junto, como de que seu conteúdo não era legal, que ninguém se interessaria, que nunca ganharia dinheiro com aquilo. E ficou mais frustrado. Decidiu procurar no YouTube sobre como manter um blog. Aprendeu algo aqui e acolá sobre o assunto e com o novo conhecimento veio uma vontade de colocá-lo em prática. Ativou seu blog novamente, escrevendo o melhor post da sua vida, caprichou mesmo. Mas ninguém leu. Procurou mais sobre como divulgar um blog. Viu uma quantidade de informações que o deixou perdido, mas resolveu escolher umas 2 dicas que achou mais bacana. As botou em prática e até fez uma lista de filmes que queria ver para depois resenhar. Percebeu que estava motivado pra continuar e foi contactado por um estranho que havia lido seu post. Curtiu a sensação e botou na cabeça que não abandonaria seu pequeno projeto. Pensou que não ganharia dinheiro com aquilo, mas que seria seu novo hobby. Ao invés de apenas consumir conteúdo de terceiros, agora continuava consumindo, porém construía algo seu ao mesmo tempo.

Depois de pedir demissão, a grana começou a ficar curta. Não sabia bem o que fazer, não queria um emprego formal tão cedo e tava curtindo as férias. A grana apertou mais. Atrasou a conta de luz e odiou pagar juros no mês seguinte. Acabou conseguindo uns bicos de garçom em um restaurante perto da sua casa. Seus amigos tiraram onda e questionaram como ele tinha ido parar assim no fundo do poço, sendo que antes tinha um emprego bacana em uma empresa bacana. Falou para os amigos que não planejava seguir uma carreira como garçom, mas que não via problema em traçar esse caminho por algum tempo. Disse ainda que se divertia mais no seu novo bico do que no seu trabalho anterior. Falou que tinha cortado o stress de horas diárias no trânsito, já que trabalhava perto de casa. Contou algumas histórias divertidas que aconteciam a cada noite no restaurante e depois olhou pro chão, tentando lembrar de alguma história bacana que tinha acontecido na sua antiga empresa. Lembrou de apenas uma ou duas, perdidas em meio a dias e dias que passavam de forma semelhante. Falou pros amigos que tomava uma cervejinha com o pessoal depois do expediente. Deu risada quando contou isso e percebeu que curtia trabalhar ali. Foi pra casa com a certeza de que existem outros caminhos além do trabalho formal em escritório. Botou na cabeça que não queria usar sapato, gravata e calça social no verão nunca mais. Pesquisou empregos alternativos na internet e se interessou por trabalhar em navios, por dar aulas de alguma coisa ou por ganhar dinheiro pela própria internet. Lembrou que estava mais feliz agora do que antes, mesmo que com menos grana. Pensou que ia tentar alguma dessas coisas alternativas e, se não desse certo, ainda tinha a segurança de conseguir um emprego razoável em algum lugar qualquer. Com isso, divagou sobre risco, sobre criar oportunidades ao invés de esperar que caiam do céu.

Conheceu uma pessoa nova que sabia programar desde pequena. Pensou como não fazia nada de produtivo quando era adolescente. Pensou que adoraria saber programar. E lembrou de outros interesses que tinha, mas que nunca havia desenvolvido. Pesquisou na net e descobriu que tinham cursos de praticamente qualquer coisa que ele procurasse, muitos deles de graça. Quis voltar a estudar, mas lembrou da sua antiga universidade e achou o sistema tradicional de ensino um pouco retrógrado. Viu que alguns cursos online conferiam certificados. E pesquisando mais a fundo, percebeu que virar um estudante autônomo era uma boa opção. Resolveu estudar um pouco todos os dias, por conta própria, e não deixar de aprender nunca. Caçou um curso de espanhol aqui, um de webdesign ali e botou na cabeça que os terminaria.

Rui tinha mudado. Estava bem mais magro e se alimentava melhor. Ganhava menos, mas trabalhava menos e tinha mais tempo pra fazer as coisas que gostava. Investia num projeto pessoal e ficava feliz com os progressos que tinha, ainda que pequenos. Não invejava mais os outros, não tirava sarro da aparência de ninguém, evitava fofocas sobre as vidas alheias e tinha até arriscado um moicano, que considerava daora. Tinha a convicção de que todas essas mudanças na sua vida tinham sido pra melhor. Se sentia uma nova pessoa - e uma pessoa melhor. Gostava de quem era.


MAS MESMO ASSIM, ÀS VEZES RUI SE SENTIA INFELIZ

Via outros alcançando grandes feitos e sentia a pressão para conseguir o mesmo. Às vezes ficava na dúvida se não deveria voltar a trabalhar numa grande empresa e juntar bastante dinheiro. Assim poderia comprar um carro melhor, uma casa maior, comprar um sabonete de 3 reais ao invés de outro de 1, ir numa padaria mais chique ao invés de na mais barata. Pensava se daqui a 30 anos teria dinheiro, teria uma carreira consolidada. E ficava confuso quando lembrava de amigos que estavam nesse tipo de trajetória promissora, mas que não pareciam felizes - continuavam contando os dias pros finais de semana.

Certo dia foi correr no parque e se sentou num banco pra descansar. Viu um pai brincando com um filho pequeno. O moleque deveria ter 1 ano e pouco e tava começando a andar, com aqueles passos meio inseguros e trôpegos, manja? O gurizinho correu atrás de uma bola, caiu e riu. Levantou e continuou correndo. Nessa hora, Rui sorriu. Por um momento, tinha esquecido das suas dúvidas quanto à grandes realizações e construção de uma carreira como a que seu pai tinha construído. Pensou que bastava uma criança engraçadinha pra fazer uma pessoa feliz. Pensou em como pequenos momentos o faziam feliz. Pensou que a felicidade é feita de pequenos momentos, ao invés de grandes realizações. Pensou que deveria aproveitar mais risadas de crianças no parque. E mais risadas da sua mãe, e dos seus amigos. E mais recordes de corridas batidos. E mais batidas de frutas deliciosas no café da manhã. E mais café quentinho de manhã. E mais cada filme que assistia, e cada livro que lia. E mais cada momento.


E sorriu efusivamente, igual a criancinha quando caiu no chão. E naquele momento teve certeza que estava no caminho certo.



Esclarecimento: não sou o dono da verdade e não quero dizer o que é certo ou errado. Meu ponto nesse post foi ressaltar diversas mudanças de pensamento e atitude que uma pessoa pode ter, mas de forma alguma tô afirmando que trabalhar em escritório é errado ou que fazer exercício físico é obrigatório para todos, por exemplo. CADA UM DESCOBRE O SEU CAMINHO. Esse foi o do Rui, um personagem completamente fictício criado com base em algumas experiências que tive na vida.

Comenta aí se você gostou ou não (pode ser como anônimo, não dá nada). E fala comigo lá no twitter, nem que seja pra dizer que o post ficou uma merd*! ;))


13 comentários:

  1. Muito bom. Textos assim nos faz parar para pensar. A forma como você escreve prende a atração, por mais que eu seja preguiçoso pra ler textos grandes. Parabéns e muito sucesso para seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que massa seu comentário! Quando escrevo, fica difícil ter uma percepção de como o texto está ficando, o autor fica "viciado" na criação e perde a habilidade de ver de fora, criticamente. Geralmente peço pra patroa dar uma lida, mas esse tipo de feedback (a forma como você escreve prende a atração) não costumo ter, fiquei feliz pra caralho, Muito obrigado! =DD

      Excluir
  2. seus textos são leves e ao mesmo tempo querem deixar um legado! acho isso encantador! continue promovendo seu blog no twitter (pois é de lá que eu o conheci), ele é fantástico, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caraca! "Encantador" e "fantástico" foi o seu comentário. Agradeço muito mesmo, fez meu dia! =DDDDD

      Excluir
  3. Respostas
    1. Opaaa! Mesmo que seja um comentário simples assim, conta muito pra mim. Obrigado! ;))))

      Excluir
  4. Todo mundo tem uma versão melhorada dentro de si, mas é preciso coragem pra liberar este melhor Rui.
    Já passei por esta fase também. Trabalhei em multinacional, o dinheiro e os benefícios eram bons, fiz a faculdade meio que nas coxas (não ia mal, mas hoje sei que poderia ter ido BEM melhor), mas sempre faltava algo. Na verdade, ainda sinto que falta algo. Hoje em dia apenas dou aulas particulares, e confesso que o dinheiro faz falta, mas só de poder fazer as coisas meio que do meu jeito visando o aprendizado dos outros dá uma boa sensação, apesar de ainda não ser exatamente o que quero.
    Ótimo, como sempre :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade acho que sempre vai faltar algo. Somos inquietos por natureza, queremos sempre algo melhor, algo diferente.

      Não acho que trabalhar em empresa seja o problema se a pessoa está feliz com isso, mas no seu caso só apoio a decisão de dar aulas, buscar algo que te complete mais e te deixe mais feliz. Talvez seja um primeiro passo enquanto ainda procuras algo que te realize. Boa sorte e muito, mas muito obrigado pelo comentário. Esse "Ótimo, como sempre" fez meu dia! =DDD

      Excluir
  5. sensacional!!!!
    texto maravilhoso, e quer saber mais, me identifiquei muito com o Rui =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que massa, Ingrid! =DD

      Acho que bastante gente se identifica, pelo menos em alguns pontos. Por isso botei no título que a história pode não ser só do Rui, mas "minha, sua, ou de alguém que a gente conhece".

      Obrigado mesmo por comentar! =)))

      Excluir
  6. Que texto ótimo cara, sério msm, vc escreve muito bem, e esse lance de usar uma estória fictícia pra demonstrar algo real me atrai bastante, faça mais disso! Eu gosto bastante!
    Obg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando vir a calhar, faço mais sim! Valeu pelo elogio, Eron!

      Excluir
  7. Muito bom mesmo!
    Voce deveria escrever un livro :D

    ResponderExcluir

Seu feedback é muito importante pra mim! Me diz aí o que você achou :))

2Bits. Tecnologia do Blogger.