Como você se sente quando não faz nada?

29 comments

Disse pro meu amigo que me sentia meio mal quando ficava sem fazer nada. Ele se espantou e disse o contrário: "quando não preciso fazer nada é que fico feliz".

Uma das coisas que me deixa mais pra baixo e desmotivado é essa sensação de não fazer nada, de não ser produtivo. Quando fico navegando por horas na internet, depois paro pra pensar e vejo que joguei muito tempo fora. Quando vou jogar videogame e fico uma cara fazendo isso, depois me sinto mal de não ter feito algo útil. Mesma coisa quando durmo até às 2 da tarde no final de semana. E o twitter, que o cara vai dar uma olhadinha e se perde por horas? Talvez você já tenha se sentido assim também.

Se eu não tiver nenhuma tarefa importante no dia, nenhum compromisso, nenhum trabalho pra fazer, vou gastar meu tempo com outra coisa que curto. Assisto futebol, jogo videogame, perambulo pela internet, vou pro bar, passeio... não importa. No fim do dia, olho pra trás e vi que não fiz nada de útil. E me sinto mal por isso.

Mas peraí, se divertir não é útil? Fazer coisas que gostamos não é útil? O que é útil então?

O que é útil?


Ninguém seria capaz de dizer que diversão é inútil. Muito pelo contrário, se entreter e aproveitar a vida de formas que você gosta é o caminho para uma existência feliz. Mas nossa cultura colocou na nossa cabeça que pra algo ser útil, tem que ser produtivo, tem que ser algo que gere dinheiro agora ou no futuro. Que ser útil é trabalhar pra caralho.

Se você ganhar 500 reais em um dia, trabalhando 8 horas, provavelmente vai sentir que fez valer seu tempo. Pode odiar seu trampo, mas quando chegar em casa vai sentar no sofá cansadão e saber que cumpriu seu trabalho, que fez o que tinha que ser feito. Vai dar valor para aqueles 500ão que você conseguiu com trabalho duro. Vai poder recusar um convite pra fazer alguma coisa enchendo a boca: "tô cansado, trabalhei o dia inteiro". Quantos de nós não falamos assim, como se trabalhar o dia inteiro, ou "horas a fio" fosse algo bom? No fundo, sabemos que não é.

Troca interminável de canais é a recompensa de muitos após um dia exaustivo no trampo

Claro, ninguém quer trabalhar o dia inteiro - salvo raras exceções de quem realmente ama o que faz. Mas trabalhar o dia inteiro, "se matar de estudar" e coisas do tipo, são glorificadas na nossa cultura. Lembro de ir jogar bola com um cara que estava sempre comentando que trabalhou não sei quantas mil horas no dia, e foi dormir de madrugada, e já acordou às 6 pra trabalhar mais, e participou de não sei quantas reuniões. "Go hard or go home" ou "no pain, no gain", alguns gostam de dizer. Eu mesmo costumo ter um orgulhinho de quando fazia isso nos EUA, saindo de um trampo às 7:30 da manhã pra entrar no outro às 10. O tempo só parece bem utilizado quando totalmente gasto e ocupado com atividades "úteis". Se a sua agenda estiver cheia e você trabalhar igual a um endemonhado, pode se sentir cansado e puto da vida, mas no fundo sente uma satisfação de dever cumprido.

Aliás, acho triste o jeito como reconhecemos a pessoa só pela forma como ela gasta o tempo. "O que você é?", "O que você faz?": essas perguntas são sempre feitas esperando em resposta algo que tome a semana inteira da pessoa. Digamos que um cara esteja desempregado porque quer, porque resolveu parar pra curtir um pouco a vida. Aos olhos do mundo ele não estará curtindo a vida, ou não estará numa posição boa o suficiente pra não precisar trabalhar. Ele estará, ou ele será, um desempregado.

Imagina a situação de um cara daqueles que nasceu em berço de ouro. Os pais são mega ultra milionários e o maluco nunca precisou ou precisará trabalhar. Sabendo disso, ele aproveita o mundo. Viaja adoidado, vai pra festas, vai navegar com sua lancha... faz o que quiser. Aos olhos de muita gente, ele é um desocupado, um vagabundo. Um vagabundo, por curtir a vida em uma situação na qual é possível curtir a vida? Talvez as pessoas o chamem de vagabundo para se sentirem melhores, com a intenção de que ele se sinta mal por estar em uma posição privilegiada que elas gostariam de estar, mas não deveriam. Se ele já tem o suficiente, não é obrigado a trabalhar para fazer mais dinheiro. Deixa o cara aproveitar, a vida dele não tem que ser dura.

A vida é dura


A gente passa a vida acreditando nessa dureza da vida. Que a vida é dura e que as coisas são assim mesmo. "Deus ajuda quem cedo madruga" é uma frase repetida constantemente, evidenciando que não só os homens, mas até as divindades apreciam quem trabalha duro e não quem "não faz nada". Mas será que a vida precisa ser tão difícil assim?

E se você ganhar os mesmos 500 reais em um dia, mas agora trabalhando 1 hora só ao invés de 10? Certamente que no começo você vai ficar feliz. "Caralho, ficava 10 horas no escritório pra ganhar o mesmo que em 1 horinha agora, que maravilha". Mas depois que a felicidade momentânea passar, como vai se sentir? Todas as outras 9 horas, que antes eram usadas no trabalho, agora estão ao seu dispor. E ociosas, essas horas serão usadas para você fazer coisas que gosta, ou que ocupem sua mente. Talvez você cozinhe e coma mais, talvez zere aquele RPG de 100+ horas, talvez fique mais na internet, talvez vá passar mais tardes na praia ou no parque. E talvez comece a se sentir mal. Você ganha exatamente o mesmo que antes, mas não parece que você tá sendo igualmelnte produtivo, já que tem tempo livre demais. "Tô desperdiçando todas essas horas", alguns pensariam.

Pensamos muito no lazer e no entretenimento como recompensas do trabalho árduo. Ir ao cinema no final de semana, tomar umas na sexta e não fazer porra nenhum no domingo são todas coisas normais. Afinal, você trabalhou a semana inteira, merece descanso. Mas muitas vezes não pensamos nessas coisas como nossa atividade principal.

Tim Ferriss, no seu livro "The 4 Hour Workweek"
Tim Ferriss, no seu livro "The 4 Hour Workweek"

Como me sinto quando não faço nada


No momento que escrevo esse post, tô tranquilo na vida. Juntei uma grana "trabalhando pra caralho" e hoje trabalho pouco, só o suficiente pra pagar as contas. Foi uma escolha que certamente pode mudar no futuro, mas que no momento tá me servindo bem. Mas mesmo com mais tempo livre do que tinha antes, continuo a enfrentar dificuldades mentais na hora de aproveitá-lo.

Muitas vezes parece que qualquer coisa que eu fizer vai ser como se eu não tivesse feito nada, porque o tempo não foi gasto de forma produtiva, com trabalho ou estudo. Como se fechar aquele RPG de 100 horas ou passar o dia na rua curtindo o sol não fosse algo que eu gosto de fazer e que, portanto, deveria ser algo bom, algo que quero pra minha vida. Tenho que sempre ficar me lembrando de aproveitar meu tempo livre sem estresse, sem me punir mentalmente por isso. Afinal, estamos aqui nesse planeta de passagem e é melhor aproveitar nosso curto tempo fazendo o que gostamos. Eu, ao menos, penso que isso é melhor do que "trabalhar pra caralho".

Claro que você pode precisar trabalhar muito pra ganhar uma grana, pra pagar suas contas, pra sustentar a família, ou estudar muito pra se formar, ou pra conseguir passar numa prova, algo assim. Mas muita gente não precisa, só trabalha por trabalhar. Trabalha por que tem que sempre produzir mais, ganhar mais, acumular mais. De qualquer forma, quando estiver de bobeira, não adianta ficar se culpando mentalmente por não estar sendo produtivo. A maioria das pessoas na Terra jamais vai encontrar felicidade plena no trabalho ou no estudo. A parte boa de estar aqui é correr no parque, jogar videogame, trocar ideia com os amigos, viajar, desenhar por desenhar, ouvir música, olhar pro céu, rir no twitter, comer e por aí vai. "Não fazer nada" é a parte boa.

Aproveita!




Chegou até aqui, deixa um comentário. Essa é a nova lei do site e os infratores serão punidos! Mentira, claro que não, mas saiba que eu ficaria muito feliz em saber se você gostou ou não, se concorda ou discorda. E creio que outros leitores também podem se identificar com o que você pensa, então se você deixar um comentário basicamente estará fazendo o bem pro mundo! Alternativamente, passa lá no twitter e me diz o que achou! Ficaria muitíssimo agradecido! ;))


29 comentários:

  1. Po**a ! Quando digo que é foda, não tô mentindo ! Esse texto diz tudo, simplesmente tudo !

    ResponderExcluir
  2. É isso, cara. É disso que eu falo!

    ResponderExcluir
  3. Você lê pensamentos? Ainda hoje pensei que por estar parada (na verdade, dou aula particular. Tenho apenas um aluno por enquanto haha) às vezes me sinto improdutiva. Foi ótimo perceber que todo o tempo livre que gastei com livros, games, idas ao cinema e cerveja com os amigos não são tempo inútil, pelo contrário. Obrigada por abrir os olhos dos leitores. Sério mesmo :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal Gabriela, eu que agradeço pelo apoio, de verdade mesmo!

      Excluir
  4. Esse texto deveria estar entre os "Featured" dos blogs da web! Esse tema é muito bom. De quando em quando sou acometido por essa sensação de culpa também - muita gente me critica falando que só trabalho “meio período” (minha jornada são 06 horas diárias). Ora, pro diabo eles! Meu trabalho é esse, cumpro minha obrigação e ganho meu salário – com o tempo de sobra me ocupo com o que gosto de fazer: dedico-me a leituras, vou jogar videogame, andar de bicicleta, e qualquer outra atividade que me nutra espiritualmente. Pelo que se lê por aí, acho que esse pensamento que diz que é necessariamente ruim estar “desocupado” é válido somente na nossa cultura ocidental, procede? Digo, os orientais têm a cultura da meditação (que basicamente consiste em "fazer nada"), por exemplo, uma filosofia muito voltada para o interior, enquanto nós ocidentais só conseguimos conceber sentido à algo atribuindo-lhe utilidade prática, só vemos sentido em existir se estivermos produzindo, trabalhando. Acabamos por valorar alguém apenas por seus aspectos exteriores, coisificando o ser humano, desprezando sua dimensão interior na qual se torna significativa a palavra “ser”.

    Essas pessoas que criticam quem não está no mesmo regime de trabalho delas afirmando que elas sim trabalham duro o dia inteiro, na verdade vivem com uma inquietação chamada... inveja! Chegam ao ponto de desqualificar/desmoralizar alguém em função disso. Uma ocupação não necessariamente torna alguém melhor, pois por mais que exista a dimensão moral do trabalho (em sua potencialidade), até um bandido da pior espécie tem que trabalhar, pegar no pesado, para sobreviver. Ademais, essas pessoas que criticam podem usar o fato de que trabalham 8 horas por dia como licença moral para tocar o puteiro num bar, por exemplo, isto é, “já que trabalho o dia todo tenho direito a fazer o que eu quiser nessa bagaça”... Muito edificante esse comportamento... Uma pessoa que tem o tempo mais livre pode aproveitar para ingressar em atividades culturais que a enriqueçam, ou simplesmente o puro lazer.

    Esse sentimento de culpa é foda mesmo, é necessário ter clareza para não se deixar enredar por essas más vibrações. E seja livre, livre como um pássaro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito seu comentário, Darley! De fato preciso sempre ficar me lembrando de não me sentir mal, mas de repente com o tempo me acostumo a relaxar mais na hora de curtir. Acho que qualquer um se beneficiaria dessa mudança de mentalidade. Valeu pela participação aqui, como sempre!

      Excluir
  5. excelente texto. Para muitos meu trabalho é uma ofensa porque hell ya, é o que eu gosto de fazer - desenhar para jogos - e não tenho aquela carga horária diária certinha. Nossos pais (ou a maioria deles) vê o trabalho como algo chato, a dureza da vida. Pedro, já ouviu aquele tiozão dizer alguma vez que você deveria "tentar concurso público"? aaah, eu já. Esse mesmo tiozão é o que pensa que eu não posso me divertir no trabalho - que já é mais solto do que a ideia de trabalho comum; ou se eu estou na frente do pc escutando música, cantando e desenhando ao mesmo tempo, não estou trabalhando ou que Jogar video games não faz parte do trabalho.
    Quanto a pergunta: Como eu me sinto quando não faço nada? Eu me sinto mal porque gosto de manter a mente em movimento, descobrindo coisas e criando. haha meu mal é conseguir fazer com que a mente descanse por um dois segundos e desligar o interruptor de ideias ou histórias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem esse tipo de tiozão na minha família sim! Muita gente acha que o melhor pra mim seria estudar por algum tempo até passar num desses concursos que paga muito bem. É o sonho de algumas pessoas. Em falar em sonho, parece que tais vivendo o seu, muito legal mesmo. Aproveita! E obrigado por comentar aqui! ;))))

      Excluir
  6. Cada vez se superando, Pedro! É isso aí, não fazer nada é a parte boa... A "máquina" colocou na cabeça das pessoas que trabalhar é a única coisa produtiva e o resto é perda de tempo. Fico pensando como as pessoas reclamam tanto do trabalho que eles tem, mas quando tem uma oportunidade de fazer algo diferente não querrem, ou "não podem". "Sad but true"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Gustavo! Valeu pelo comentário parceiro!

      Excluir
  7. Texto ótimo! Tô nessa vibe. Mas ainda tentando descobrir o que pra mim é fazer coisas úteis sem me punir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Com o tempo a gente vai aprendendo a aproveitar a parar de se cobrar tanto. Boa sorte! :))

      Excluir
  8. Cara, se ganhasse 1 real por cada hora que me sinto uma MERDA por fazer nada útil, estaria rica kkk. Bom texto. Preciso parar de me punir sobre isso e começar a curtir aquela "inutilidade".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Júlia! É difícil, mas espero que consigas curtir pelo menos um pouco! Obrigado por comentar ;)

      Excluir
  9. Ótimo texto. É aquela sacudida que as vezes precisamos para parar de nos punir por querer viver. Porque sim, o não fazer nada, ou dedicar-se ao lazer é produtivo pra "VOCÊ" mesmo, que é quem realmente importa.

    ResponderExcluir
  10. Texto fantástico!
    Também tenho essa sensação de tempo perdido quando fico muito tempo em uma coisa que não seja estudar ou trabalhar, esse texto deu um "hei, repensa aí amigão" hahahha
    Muito bom mesmo, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também me sinto assim direto, preciso constantemente me lembrar de aproveitar ao invés de só me punir. Valeu Igor!

      Excluir
  11. Fico desanimado quando não tenho nada pra fazer. É o que você disse, vou fuçar na net, pro parque etc. Mas não fico me punindo com dispedrício de tempo. Aproveito o tempo livre mesmo !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso! Tem que aproveitar, se não qual a graça da vida não é?

      Excluir
  12. Cara, tbm penso muito em tudo isso q falou, mas as vezes algumas coisas parecem mais úteis q outras, parece q tem uma grande diferença entre diversão e distração, vc já sentiu como se tv, games e redes sociais fossem mais distração? ao menos q esteja com pessoas q vc gosta, não sei, essas coisas são bem complicadas kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que levantasse um ponto muito importante, esta diferença entre diversão e distração. Quando é deliberado e algo que você quer, vale a pena. Mas quando é algo que fazemos só para passar tempo e ocupar o cérebro com qualquer coisa, talvez valha repensar. Em resumo, não devemos nos sentir mal para uma jogatina de um game que queremos jogar, mas talvez devemos evitar deixar a TV ligada e sentar na frente dela só porque não há nada mais pra fazer.

      Excluir
  13. excelemnte texto, sabias palavras, e o estilo de vida e como aproveitar cabe a cada um saber como fazer, pois nem todo mundo gosta de quadrado, alguns gostam de redonndos e nao devemos ter receio ou medo de nada, a sociedade da nossa cultura cobra e exige de vc trabalho arduo e continuo, mas em contra partida a felicidade e ate saude é deixada em segundo plano, sabio é fazer com vc disse, aproveitar a vida de forma util e as vezes nem sempre produtiva !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Tiago! Obrigado por comentar aqui!

      Excluir
  14. Acredito que "produtividade" seja a palavra máxima do modelo econômico que vivemos: capitalismo. As pessoas se esquecem de viver para acumular ou mesmo cobrir os gastos com o padrão de vida que o mkt diz ser os ideais. Ser produtivo na minha opinião é ganhar o necessário para ter uma vida digna e saber dosar a necessidade de tempo livre para a família, para si mês e para os amigos. Concordo com o texto e temos sim que organizar nossa vida para ter mais tempo para verdadeiramente viver!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *para si mesmo (é o que quis dizer acima)

      Excluir
    2. Perfeito teu comentário Cristina, assino embaixo! Obrigado por passar por aqui!

      Excluir

Seu feedback é muito importante pra mim! Me diz aí o que você achou :))

2Bits. Tecnologia do Blogger.