30 dias sem café

24 comments

Fiquei 30 dias sem tomar café. Pra ser mais preciso, hoje é o 28º dia. Como a falta deste líquido preto maravilhoso está totalmente controlada no meu sangue, me sinto confiante pra já publicar esse post faltando 2 dias - sem dúvidas chegarei nos 30.

Pra quem não gosta de café, pode parecer um desafio ridículo, mas quem é viciado na cafeína sabe o quanto é difícil recusar uma xícara. Antes de começar o desafio, tinha meus motivos para achar que seria muito difícil.

Viciado em café


Comecei a tomar café tarde, quando entrei pra faculdade. Minha mãe sempre foi uma bebedora compulsiva e eu, numa fase da vida onde precisava ficar acordado de manhã e não cair de sono no fim da tarde, comecei a tomar junto. Peguei o hábito de beber sempre depois do almoço e no café da tarde. Nem leite, nem açúcar, prefiro preto e amargo mesmo. No vai e vem da vida, já troquei meus hábitos diversas vezes, passando pelo café solúvel de pacotinho (quando não achava café em pó na China), até voltar pro café passado preto, tomando logo depois de acordar.

Ultimamente meu vício atingiu um nível alarmante. Todas as manhãs vinha tomando uma garrafa térmica (3 xícaras grandes cheias), além de mais uma térmica a tarde em dias que dava vontade. Sei que o consumo estava um pouco exagerado e decidi cortar esse hábito pela raíz. Não só pela quantidade desproporcional que vinha ingerindo, mas por outros motivos:

Ansiosidade e irritação
Sou ansioso por natureza. Fico mexendo as pernas loucamente em qualquer situação, sempre tô roendo as unhas, batuco com as mãos no peito, bato o pé no chão e por aí vai. E sempre fui um pouco irritado também. Coisas pequenas e tolas como não conseguir passar um fio numa agulha, ou deixar talheres recém-lavados caírem na pia suja, me levavam a xingar o mundo de tudo que é jeito. O consumo de café aumenta esses dois comportamentos. Quanto mais café, mais mexo as pernas. Quanto mais café, mais vezes me peguei querendo socar o travesseiro de raiva por alguma coisa simples, que deveria ser encarada numa boa.

Frase Café - Beba café pra fazer coisas estúpidas com mais energia
"Beba café pra fazer coisas estúpidas mais rápido, com mais energia"


Dificuldade para dormir
Também já tive muita dificuldade para dormir. Mas de verdade, de ir pra cama à 1 da manhã e ficar rolando até as 5 sem pegar no sono. É claro que tomar um litro de café preto ali por entre às 6 da tarde e 8 da noite não ajuda em nada.

Café faz mal
Ou pode fazer mal. É uma daquelas coisas que traz benefícios e problemas ao mesmo tempo. Se tomado em demasia, o café pode causar ou piorar a gastrite em algumas pessoas. Café dificulta a absorção de algumas vitaminas importantes e outros nutrientes, como cálcio e ferro. E por aí vai.

Vício
Talvez o problema mais sério. Parei pra pensar e cheguei à conclusão de que não só gostava de tomar café, mas era viciado nele. Ingerir algo (que não seja água) em quantidade, todos os dias, durante anos, deve ser considerado vício. Sentia falta quando não bebia. Crítico de vícios, parei pra pensar se eu estava ou não no controle. Claro que não estamos falando numa situação mais grave, como o vício em cigarro ou coisas piores, mas ainda assim quis fazer um teste: até onde vai a minha força de vontade? Algumas pessoas me disseram: "30 dias? Eu não conseguiria. Café é sagrado" e outras coisas do tipo. Eu também costumava pensar assim, mas decidi que essa era só uma frase de efeito, sem significado real, e aceitei o desafio.

Café é deus - Café é vida
"Café é deus"
Durante 30 dias, cortaria o café 100% da minha vida pra:

- Sentir que tenho controle sobre o vício
- Experimentar que tipo de alterações ele causa no corpo

Até onde estava interessante, fui anotando diariamente minhas reações à falta de café. Olha só o resultado:

Diário da abstinência


Dia 1
Foi mais fácil do que eu imaginava. Depois daquela vontade que tenho de tomar um cafézinho logo de manhã, durante o resto do dia até esqueci. Confesso que o sono bateu no fim da tarde, o que não costuma acontecer tanto.

Dia 2
Na metade do dia já fiquei sem energia. Sei lá, parecia que não tava muito legal, mas não sabia dizer o que era. Será que é falta de café? Será que depois de tomar quase 1 litro por dia durante anos seguidos meu corpo desacostumou a ficar sem? Sei lá, só sei que não tô muito legal.

Dia 3
Passei o dia inteiro com dor nas costas e nas pernas. Uma parada bizarra, como se as dores em vários lugares fossem uma dor só. Não pode estar relacionado com café, pode? Imagino que não, mas é uma coincidência do caralho essa loucura acontecer bem quando parei de tomar. Doeu o dia inteiro, fui dormir depois de um analgésico.

Dia 4
Acordei mais ou menos na mesma que no dia anterior, mas um pouco melhor. Se é coincidência ou não, não sei, mas espero que esteja passando. Se amanhã continuar assim, vou pro médico porque a dor tá preocupante. Como se minhas pernas e minhas costas estivessem fracas e doendo. Bizarro e bem ruim. Não deve ser o café. Pelo menos de manhã já tá mais fácil passar reto pela cafeteira e pelo pote onde guardo o pó. Foi mais natural não colocar a água pra ferver.

Dia 5
A dor continua. Fui pro hospital, fila enorme, voltei pra casa sem ser atendido. Tomei um remédio. Não deve ser do café, não pode, não tem relação. Mas de alguma forma a coincidência me faz pensar que o café teve influência, como se fosse só tomar uma xícarazinha pra ficar tudo bem. Por que eu tô fazendo isso mesmo? Por que 30 dias e não 15 ou 5? Acho que 5 já é um bom número. Quando tava sozinho em casa tava tranquilo, mas minha irmã voltou de viagem e a primeira coisa que fez foi fazer um café bem cheiroso. Em breve faz uma semana.

Dia 6
Acordei sem dor, aleluia. Será que o corpo acostumou com a falta de café? Sei lá, difícil uma dor física intensa ter origem química, mas vai saber?! Foi muita coincidência. Uma hora depois de acordar ainda tava meio sonolento. Essa sem dúvida é consequência da abstinência. Não estaria assim se tivesse mandado aquele 1 litrão delicioso pra dentro.

Dia 7
Não tomar quando acordo, que é o padrão pra mim, foi de boa. Mas confesso que no fim de tarde deu uma vontadezinha. Tem alguma coisa no fim de tarde que pede por café. Não sei se é pela luz do sol entrando na diagonal ou por ser aquele horário de comer um pãozinho, um café da tarde caprichado, com café líquido, é claro. Mas não tomei, tá de boa. E já foi uma semana.

Dia 8
Aquela dor não tinha nada a ver com café. Não voltou mais. Como eu suspeitava, era outra coisa. De qualquer forma, foi uma coincidência danada. Talvez minha mente tenha buscado acreditar que tinha alguma relação com o café só porque eu acreditava que parar de tomar seria mais difícil do que está sendo. Mas fora um mal estar no segundo dia e uma sonolência ontem, tá tranquilão.

Dia 9
Hoje foi particularmente fácil não tomar café. O dia tava quente que era um inferno. Nessa situação, a última coisa que você quer é piorar a temperatura tomando café ainda mais quente. Aliás, nos verões anteriores geralmente eu tomava mesmo, nem que morresse de calor depois. Fim de tarde, que é o período de ouro pra se tomar um cafézinho, eu fui pra praia. Lá não tinha acesso a café, tava calor e mais do que isso: não dei a mínima. Tava lá curtindo, felizão. Se fosse pra tomar algo seria água de coco ou uma cervejinha, não café. Foi tranquilo.

Dia 10
Virei um mestre na parada. É simples: acordo, faço minha vitamina, tomo e escovo os dentes LOGO EM SEGUIDA. Dei uma dica pra galera no twitter uma vez: quando tiver com aquela vontade louca de comer doce mas não tiver nada doce em casa, escova os dentes rapidão que em 5 minutos você esquece da vontade. Com o café tem funcionado parecido. Quando vi já tô fazendo outra coisa, meu cérebro já tá desassociando os hábitos matinais (eu acordo sempre depois do meio-dia, quem eu quero enganar?!) do consumo de café. Ponto!

Dia 11
Nem sei se vale a pena continuar registrando a falta de café dia-a-dia. Ficou fácil. Mais um dia sem tomar e sem sentir falta.

Dia 12
Fizeram um café gelado, daqueles batidos com gelo e leite. Me ofereceram e disseram que por ser gelado "não conta", que eu podia tomar. Rejeitei de boas, sem problemas. Tá muito fácil, acho que vou começar a registrar a cada 3 ou 5 dias só.

Dia 13
Confesso que hoje até deu uma vontadezinha de tomar café, mas logo passou. Tá quente pra caramba e tô aqui de boa recebendo um ar fresco que entra pela varanda. Se tomasse café, ficaria pingando de suor, morrendo de calor. Não, tô de boa assim.

Dias 14-28
Simplesmente não tenho o que escrever. Como disse antes, virei mestre na parada. Não sinto falta da cafeína e quase nunca sinto vontade de tomar. Tá sossegado.

Relato de um ex-viciado


Foi mais fácil do que eu esperava. Muito mais fácil.

Nos primeiros dias senti uma queda de energia, sono em alguns momentos, mas creio que são sinais bem leves pra um corpo acostumado com cafeína por anos. Depois dos primeiros dias, ficou sossegado. O café não tomado foi incorporado na minha rotina e por vezes cheguei a esquecer que estava fazendo esse desafio dos 30 dias.

Não ter o estímulo corporal e energético que a cafeína traz teve um lado bom: fiquei menos irritado. Notei uma diferença no meu humor geral, ficando mais tranquilo ao invés de apressado e puto da vida com as coisas. Também senti mais facilidade pra dormir, o que era de se esperar considerando que às vezes tomava quantidades consideráveis de café já no período da noite.

Uma diferença que pouco se fala é a financeira. Querendo ou não, café custa. O preço do café tá uns 9 pilas. Somando os filtros de papel que custam uns 2 ou 3 reais por 30 unidades, chuto que economizei quase uns 30 mangos. Claro que não é muito, mas é outro ponto a ser considerado. Uma vez vi um relato de um inglês que tinha parado de fumar e que no final do ano, economizando apenas alguns trocados por dia, se deparou com umas 2 mil libras sobrando. Não tivesse parado, as 2 mil libras teriam sido queimadas e fumadas.

Parar de fumar - economizar dinheiro


O mais importante, porém, foi sentir que tenho total controle sobre o vício. Cheguei a escrever um post inteiro sobre esse tipo de vício rotineiro que temos, que não são pesados como vícios em drogas mas que fazem a diferença na nossa vida. Foi muito bacana sentir o controle total sobre algo que achava ser um vício, algo que seria "impossível parar". Bem, acontece que parei e não foi difícil. Só bastou força de vontade. Talvez só a força de vontade não baste para outros vícios mais sérios, mas certamente é o fator mais importante.

O ser humano gosta de estar sempre fazendo alguma coisa e percebi que o café também me serve de muleta pra estar envolvido em uma atividade. Passar o café, tomar, levantar pra pegar mais, tomar mais e por aí vai. Creio que acontece o mesmo com quem fuma um cigarro: às vezes não é nem pelo cigarro, mas sim por levantar, andar, espairecer, respirar um ar na varanda, bater papo com outros fumantes. O mesmo vale pra cerveja na balada, mesmo que você não queira se embriagar, parece que é quase natural estar sempre com algo na mão, tomando. Depois de alguns dias de desafio, não senti mais essa necessidade. Não senti falta de café.

Alás, minto. Senti uma vez ou outra, mas de leve. Antes de ir pro bar ou pra uma festa, curto tomar café pra chegar mais pilhado. E antes do futebol, curto tomar pra chegar com aquela energia a mais, correndo igual a um touro louco. Nessas situações, fez falta, mas de novo, nada que influenciasse seriamente minhas experiências nessas atividades.

Valeu a pena ficar 30 dias sem café?


Sem dúvida. Me senti no controle, fiquei menos irritado, dormi melhor e ainda economizei uns trocados que enchem o tanque da minha moto ou pagam a conta de um boteco com a rapaziada. Além disso, deixar de fazer algo que está na sua rotina há anos é uma forma de sair da zona de conforto. E o exercício de sair da zona só traz benefícios, como autoconhecimento e a elevação da autoconfiança.

Pretendo parar de tomar café pra sempre?

Nem fodendo. Gosto muito de café. Não vou parar. Mas depois dos 30 dias vou voltar bem mais moderado. 1 xícara por dia, 2 se for pra tomar antes do futebol. Espero que fique nisso.

Se você tem problemas com o café ou com outro vício, recomendo desafio semelhante. Cigarro, roer unhas, gastar, comer doces: pare agora, não amanhã. Conseguindo ou não parar, você vai conhecer melhor o próprio vício e os próprios limites, além de entender o quanto aquela coisa é importante na sua vida. Percebi que o café não é tão importante quanto eu imaginava, por exemplo, e isso me leva à consciência de que tomar menos talvez seja o melhor caminho.

Menos dependência, mais liberdade. Boa sorte!




CARA! Sou sedento por feedback de quem lê os textos aqui. Diz aí nos comentários o que você achou. É viciado em café ou em alguma outra coisa? Ou fala comigo lá no twitter o que achou do post! ;))


24 comentários:

  1. Nossa! Que legal seu relato. Eu não sou uma viciada em café, não hj em dia. Mas já fui.na época de adolescência. Tovama quase 1 litro por dia. Fui tirando o vício aos poucos e funcionou. Hj tomo café com mais moderação.
    Parabéns pela iniciativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poisé, eu tava nesse grau de vício também, por isso resolvi fazer o teste. Fico feliz que tenhas curtido o relato, muito obrigado pelo apoio! ;)

      Excluir
  2. Nós não costumamos perceber o quanto gastamos com o vício que cultivamos... Daí o susto quando você resolve fazer os cálculos e percebe o gasto no mês e o dinheiro que poderia ser usado pra outra coisa mais produtiva ou prazerosa.

    Acho curioso como o vício tem essa vocação usurpadora, de forma que ele assuma o centro da sua vida e tudo o mais assuma hierarquia de função inferior a ele. Ficamos condicionados a fazer as coisas a partir do estímulo do vício, coisas que fazíamos livremente sem a necessidade de ingerir ou inalar ou tragar algo. Eu cheguei a adquirir vários sub-hábitos a partir do vício do cigarro, um deles foi o hábito de andar, simplesmente vagar, pela cidade... como isso me relaxava. Hoje que praticamente deixei de fumar, o hábito de andar (principalmente de bicicleta) pela cidade deu uma variada, pois não tenho mais a necessidade de gastar o mesmo tempo que gastava antes em solitude ou introspecção paralisante.

    No mais, parece que tudo é uma questão de moderação, é o que diz o bom senso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante Darley! De fato a moderação nesse caso é essencial, ainda que eu acredite que o cigarro, por exemplo, não deveria sequer ser consumido com moderação.

      Outro ponto interessante é como o vício é sorrateiro. Às vezes você só vai perceber depois que está completamente refém da substância - nesse caso a cafeína. Algumas vezes deixamos de fazer qualquer coisa para ir passar um pretinho, ou pra fumar um cigarro. De fato é o vício tomando as rédeas da vida, ainda que por curtos períodos de tempo.

      Excluir
    2. Ah sim, no caso do cigarro não se aplica a moderação, pois "não níveis seguros de consumo desse produto" rsrs.

      Excluir
  3. Parabéns mano !

    Na época da faculdade tomava um copo de café preto e antes de começar a aula também Mas não adianta, ficava tão cansado que mesmo asim dormia. Por uns tempos tomava bastante pra ficar acordado, mas me manquei e diminui. Gostei do post, e pela sua força de vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu cara! Meu vício no café vem e vai, mas fazer esse experimento foi bom para eu poder perceber que estava no controle da situação.

      Excluir
  4. Post sensacional curti muito...preciso parar de tomar café pois descobri q ele é o causador de uma enxaqueca severa q vem me acometendo a dois anos, sou extremamente viciado em café, nunca me vi parando de tomar mas vejo q hj é realmente necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena tentar mesmo! Para ajudar, troque o café por algum chá relaxante, como de camomila. Assim pelo menos você não precisa deixar de lado o hábito de beber alguma coisa. Boa sorte!

      Excluir
  5. Vou parar de uma so vez espero q der certo!

    ResponderExcluir
  6. Tô no segundo dia sem café e sem doces. Sinto uma sensação de morte esquisitíssima. Espero que passe. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doce pra mim é bem mais difícil, café até que consigo largar sem problemas. Ultimamente tenho tomado só no final de semana. Como tem sido o seu primeiro mês?

      Excluir
    2. Hj tem mais de um mês que comecei a "dieta". Não sinto falta do café. Para não dizer que nunca sinto falta, apenas pela manhã quando o cheirinho toma conta da casa. Duas vezes me peguei tomando café no modo automático. Rapidamente me desfazia dele.
      Os doces, não aboli completamente. Apenas evito no que é possível. Não tomo sucos adoçados, nem refrigerantes, sucos de caixinha ou qualquer produto que eu saiba ser muito adoçado. Cortei as sobremesas semanais que fazia. Como doces apenas em ocasiões como festas de crianças, de forma controlada. O açúcar tem rendido aqui em casa. kkkk
      Sinto-me MUITO melhor. Notei que a ansiedade diminuiu, sono melhorou, concentração. Enfim, valeu a pena ter cortado\diminuído o consumo destes produtos.

      Excluir
  7. Hoje é meu primeiro dia e tenho uma dor de cabeça.Vou tomar analgésico e um sono tão grandw.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Acho que é até normal, mas passa! Talvez seja um sinal do teu corpo dizendo pra ti o quão exagerado tem sido o consumo do café, ao ponto de você cortar e fazer mal. Se estiver muito ruim, ao invés de cortar por inteiro tenta primeiro reduzir o consumo, talvez seja mais fácil. Boa sorte!

      Excluir
  8. Uma maravilha, acabei encontrando este blog, gostei muito, porque hoje, exatamente hoje fazem 24 dias sem uma gota de café!
    Eu pretendo ficar mais tempo sem ele, porque eu também desde 15 anos de idade tomo de 3 a quatro canecas por dia, e sempre fui muito irritado, e depois de pesquisar muito sobre os efeitos do café no organismo, na quantidade em que eu estava tomando, estava me fazendo muito mal, café em grande quantidade causa vários malefícios, e como você , também decidi fazer isso pela minha autoconfiança, e para mostrar que, SIM, eu tenho controle sobre minha vida. A força de vontade desprendida me torna mais feliz, por saber que vou continuar sem ele, até que eu ache que posso voltar novamente a tomar, dessa vez moderadamente. Obrigado por esse post, vou compartilhar com alguns amigos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Andre! Recentemente tive que passar por uma nova fase de desintoxicação dessas. Cortei o café por completo durante a semana. Depois de quase 2 meses voltei a tomar, mas agora bem menos xícaras e xícaras menores também. Pra mim tem feito muito bem. Espero que consigas controlar por aí. Abraço!

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Muito legal o post, Obrigada por partilhar sua experiência. Estou há 17 dias sem tomar café, tive problemas com absorção de ferro e resultado: início de anemia. Tomava café sempre após as refeições principais e entre elas, durante 1 ano tomava 5 xícaras de café. Espero repetir os exames e verificar se realmente o café foi o vilão na absorcao de vitaminas.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo post!
    Da minha experiência tive muita dor de cabeça no início e também um rearranjo intestinal. Acho muito difícil ficar sem a cafeína, ainda mais por que ela se encontra em remédios e refrigerantes, mas acredito que a redução desta pode ser algo muito bom para a saúde e, como você postou, para o autocontrole.

    ResponderExcluir

Seu feedback é muito importante pra mim! Me diz aí o que você achou :))

2Bits. Tecnologia do Blogger.